Óleo na praia: descubra como agir!

Óleo na praia: descubra como agir!

Desde o dia 30 de agosto, manchas de óleo de cor negra vêm aparecendo no litoral brasileiro. O vazamento de óleo, que ainda tem causa desconhecida, atinge praias turísticas e mangues. Segundo o Ibama, esse é o maior acidente ambiental da história do litoral brasileiro em termos de extensão. O óleo é um hidrocarboneto formado por substâncias como: benzeno, tolueno e xilenos, neurotoxinas capazes de afetar o sistema nervoso. Convidamos a médica da Interne, Laís Ribeiro, para dar orientações sobre o assunto.

Qual o perigo?

O perigo está no contato direto ou indireto com o óleo, a médica Ribeiro explica o motivo: “O benzeno, uma das substâncias base do óleo, é altamente tóxico para os seres humanos e pode causar câncer. Esse óleo libera gases e pessoas que foram expostas já relataram sintomas de desconforto respiratório, náuseas, tonturas, além de dermatite (irritação na pele) e coceiras”.

Qual o limite da Contaminação?

A médica da Interne chama atenção para os detalhes: “Não é só a água salgada, a areia, o mangue como também os peixes, os crustáceos e toda fauna e flora da região afetada pode estar contaminada.”

Atenção no consumo de peixes e crustáceos!

Mesmo com a liberação do consumo de frutos do mar por parte do Ministério da Agricultura, a orientação médica é prestar bastante atenção, pois “há risco de contaminação, o que torna o consumo arriscado. Ao ingerir alimentos contaminados, a pessoa pode apresentar náuseas, vômitos, diarreias, febre e até infecção intestinal”, explica. A recomendação de Laís Ribeiro é evitar o consumo de peixes e, principalmente, crustáceos dessas áreas.

Natal, réveillon e confraternizações sem frutos do mar?

Existem formas seguras de consumir esses alimentos. Uma delas é consumir frutos do mar que são produzidos em viveiros ou animais vindos de áreas não contaminadas, como no extremo sul do país ou no Oceano Pacífico, por exemplo.

E para aproveitar a praia?

Você não precisa cancelar a viagem de verão nem deixar de ir à praia, basta seguir as instruções da nossa médica: “É importante evitar praias impróprias para banho. Semanalmente, o Ibama faz relatórios e informa quais praias estão liberadas para o uso. É necessário ter cautela, até mesmo ao ir para praias classificadas como seguras para o banho. Se você se deparar com uma mancha de óleo ou animal contaminado, não entre em contato, se afaste e comunique aos órgãos responsáveis, que são: o exército e o IBAMA.”. Caso tenha contato com o óleo, o recomendado é utilizar óleo de cozinha para remover o hidrocarboneto da área comprometida e depois lavar com água corrente em abundância e sabão. “No caso de sentir irritação na pele, mal-estar ou qualquer outro sintoma, procure uma unidade de pronto atendimento”.

Segurança pessoal:

“Se você é voluntário ou foi convocado para retirar as manchas de óleo ou cuidar dos animais contaminados, o uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) como luvas de látex, calça e camisas longas e impermeáveis, óculos e máscaras adequadas é indispensável”, aconselha a Dra. Laís Ribeiro.

Contato dos Órgãos Responsáveis:

IBAMA: (81) 3201-3800

ANVISA: (81) 3301-3509

Exército: (81)2129-6242

×